terapia-da-psicologia-39773605_editado.j

PERSONALIDADE:  é um termo abstrato para classificar o “jeito” de SER de um indivíduo, no que diz respeito ao PENSAR, SENTIR e AGIR. É o conjunto de características marcantes e peculiares de uma pessoa e a soma delas (características), nos mostra a individualidade pessoal e social do indivíduo.

 

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE: Padrão rígido e inflexível na forma de pensar, sentir e agir, trazendo consequências consideráveis / prejuízos para o indivíduo ou à pessoas de seu convívio (familiar ou social) e que desviam do “esperado” socialmente. Se manifesta em duas ou mais áreas seguintes:

 

1. cognição - percepção de si mesmo, dos outros e/ou de situações de vida (mundo)

 

2. afeto – Respostas emocionais frente às diversas situações de vida. Diz respeito à frequência,   intensidade e maleabilidade vividas internamente e à forma como são externalizadas.

3. funcionamento interpessoal (Como o indivíduo se relaciona com as pessoas de um modo geral)

 

4. controle do impulso (Como o indivíduo lida com o “desejo”)

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE

Os Transtornos de Personalidade, apesar de notarmos sintomas e sinais que indicam a possibilidade futura da incidência do transtorno no decorrer da infância e adolescência, só devem ser diagnosticados no final da adolescência/início da idade adulta.

 

Muitas pessoas sofrem, “achando” que o mundo está contra elas, sem saberem que, muitas vezes, o padrão comportamental de si mesmas é que pode, devido à inflexibilidade, estar gerando tal sofrimento. Nestes casos, a(s) outra(s) pessoa(s) não são responsáveis por tal (tais) sofrimento(s).

 

A única exceção ao diagnóstico de Transtorno de Personalidade na infância ou adolescência é o Transtorno de Personalidade Antissocial onde, na infância e adolescência já notamos sinais e sintomas claros do Transtorno, porém com diagnóstico de TRANSTORNO DE CONDUTA , mas no início da idade adulta,

se houver persistência nos sintomas, mudará para o diagnóstico TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ANTISSOCIAL

TRATAMENTO:

Com sessões de psicoterapia, o indivíduo que se encontra em sofrimento terá uma clareza maior sobre a questão, com possibilidade de auto-conhecimento, auto-compreensão e maior auto-observação de si mesmo e de mundo. Geralmente, as pessoas portadoras de transtornos de personalidade se sentem “sozinhas” no mundo, considerando não serem compreendidas, olhadas e “escutadas”. A psicoterapia terá um propósito de trazer à tona um passado que contribuiu para a formação deste “padrão rígido” de sentir, pensar e se comportar diante das questões da vida e das relações interpessoais, objetivando a re-significação que se refletirá em comportamentos mais adaptativos frente ao sentir e às adversidades da vida, na busca de respostas menos conflitantes e mais flexíveis.

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ANTI SOCIAL - São os sociopatas. Indivíduos egocêntricos desde a adolescência e que mesmo na idade adulta mantêm comportamentos persistentes de desrespeito às normas, regras ou leis sociais. Comumente enganam, não desenvolvem empatia, tendem à insensibilidade, egoísmo, comportamentos manipuladores e sedutores com clara finalidade e planejamento de obter alguma vantagem e/ou prazer. Neste Transtorno, já ocorrem sinais e sintomas claros na infância e adolescência, o que se caracteriza por TRANSTORNO DE CONDUTA que facilmente se transforma em TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ANTI SOCIAL, no final da adolescência/início da idade adulta.

TIPOS DE TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE:

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ESQUIZÓIDE - caracterizado por falta de interesse em relações sociais, comportamentos que tendem ao isolamento e à introspecção, frieza emocional, distanciamento e/ou embotamento afetivo

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ESQUIZOTÍPICA – Possui nos sintomas, características citadas em Transtorno de Personalidade ESQUIZÓIDE, porém mais próximas à esquizofrenia (*não confundir), devido à presença de desconfiança excessiva (que pode ser confundido com delírios persecutórios), crença excessiva ou fanatismo religioso, superstição ou mania também de forma excessiva, com conteúdos de “ocultismo” ou religiosidade, acreditando (por vezes), serem escolhidos por alguma entidade divina. Apresentam comportamentos próximos às psicoses

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE PARANÓIDE - São pessoas demasiadamente desconfiadas e paranoicas, não conseguem confiar em outros, alegando que serão “passados para trás”. Em momentos de estresse, essas características tendem a piorar. Neste transtorno, surgem comportamentos de frieza emocional podendo, o portador, se manter distantes às outras pessoas por acreditar estar sempre sendo enganado, ou até (por vezes) reagir com hostilidade por motivos incompreensíveis aos olhos de outros. (*Não confundir com esquizofrenia ou delírio)

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE HISTRIÔNICA - São pessoas que se mostram emotivas, hipersensíveis, exageradas, superficiais, manipuladoras, sedutoras, controladoras, emocionalmente instáveis, dramáticas, muito preocupadas com a aparência física e com notável tendência a exigir excessiva atenção para si a todo momento. Apresentam comportamentos inadequados de raiva e/ou choro por razões efêmeras para conseguirem atenção das pessoas e ficarem em evidência.

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE - Distúrbio comparável a uma "doença do amor", uma vez que seus sintomas tornam-se muito exacerbados quando apaixonam-se. Os sintomas são: oscilação emocional (amor X ódio), vazio interno, manipulação na tentativa de evitar o “abandono” sentido comumente, intolerância significativa à frustrações, pensamentos dicotômicos (“tudo ou nada”), com dificuldade em integrar o lado bom e ruim de uma situação ou pessoa, não conseguindo relacionar-se de maneira saudável com seus familiares e/ou pessoas íntimas, se comportando frequentemente de maneira estúpida, agressiva ou rebelde. Essas pessoas tem forte tendência à ideação suicida, auto mutilação.

 

TRATAMENTO: Visa avaliar junto ao paciente seus comportamentos, questionando crenças rígidas acerca de si, mundo e futuro, as contestando quando for o caso. A psicoterapia tem o objetivo de adaptação comportamental e acompanhamento, além de  psicoeducação e acompanhamento familiar

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE NARCISISTA - Pessoas que apresentam comportamentos egoístas, arrogantes, se “achando” superiores às outras pessoas e “especiais no mundo”, passando, comumente, a impressão de antipatia. Com frieza emocional, apresentam dificuldade na empatia e geralmente se consideram os mais “ricos”, “lindos”, “melhores profissionais”.

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE DEPENDENTE - Pessoas que dependem muito de outras pessoas tanto a nível emocional quanto a nível físico. Tem por base a carência afetiva, com dificuldades em viver só, sempre em busca de um relacionamento íntimo para a manutenção do padrão de dependência. Comumente altruístas e submissas, essas pessoas sofrem pois pouco olham para si ou consideram a si mesmas pelo medo da perda e abandono. A insatisfação é constante e o sentimento crônico de tristeza é comum nessas pessoas

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE ESQUIVA – O sentimento de inferioridade leva à uma timidez significativa que impede o indivíduo a sentir-se à vontade para se relacionar com outras pessoas em sua vida social, se refletindo em comportamentos de esquivar-se das inter-relações e de se expor, pelo medo

da “ridicularização” sentida como iminente, o que gera ansiedade e sofrimento

 

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE OBSSESSIVO-COMPULSIVA- Pessoas excessivamente organizadas, inflexíveis, teimosas, gastam muito tempo trabalhando, limpando e/ou organizando em detrimento de suas relações, lazer e diversão. Podem ser um pouco distantes ou isoladas e aparentar frieza emocional. Apresentam comportamentos compulsivos como forma de lidar com pensamentos obsessivos que invadem a mente. SE DIFERENCIA DO TRANSTORNO OBSSESSIVO-COMPULSIVO (TOC), por ser um padrão rígido e inflexível. No TOC, o indivíduo percebe seu sofrimento. No Transtorno de Personalidade Obsessivo-Compulsiva, a pessoa parte do princípio de que “o mundo” está errado e ELA, correta. Ou seja, acaba por considerar e sofrer com a crença de que o mundo está contra ela.